Que faculdade fazer? Cinco passos para não errar na escolha

 

Você tem apenas 17 anos e já é confrontado a responder uma das perguntas mais importantes da sua vida inteira: qual faculdade fazer? Não importa que você esteja em um turbilhão de hormônios que fazem você ora estar revoltado com seus pais, ora querendo mudar o mundo, ora pensando apenas em sexo. As pessoas esperam que você defina, desde já, qual faculdade fazer, qual profissão vai seguir pelo restante da vida.

E assim você fica frente a frente com o formulário do Enem ou do vestibular e tem que marcar um xis em alguma das opções definidas. Publicidade? Ciência da Computação? Fonoaudiologia? Ou algo mais tradicional como Direito, Medicina, Engenharia? Algumas pessoas têm a sorte de já saber o que quer fazer da vida desde a mais tenra idade. É aquela menina que já praticamente nasceu sabendo que quer se dedicar ao teatro. Ou o garoto que é um advogado natural desde que deixou as fraldas. Mas e você, que não tem nem ideia de para onde ir? Como definir qual faculdade fazer sem medo de se arrepender dessa decisão pelos próximos 40, 50, 60 anos?

 

Sabemos que definir qual faculdade fazer é algo que terá um grande impacto não somente durante os quatro ou cinco anos que você terá que se dedicar diariamente ao curso de graduação, mas também sobre a sua vida profissional como um todo. Assim, a primeira ação que você deve tomar para escolher qual faculdade fazer é definir um método objetivo de escolha. A maior parte das pessoas que fica em uma encruzilhada sobre qual faculdade fazer acaba tomando a decisão por impulso, de forma emocional, quando chega o fim do prazo para entregar o formulário de inscrição do Enem ou do vestibular. Claramente, esta não é a melhor forma de decidir qual faculdade fazer. O que você precisa é de um método, um sistema testado e aprovado que reduza as suas chances de erro.

 

Se você analisar friamente, o que você está fazendo aqui é escolher a profissão que seguirá para o restante da vida, se tudo der certo. Então você precisa pensar não apenas na faculdade, mas sim na atividade que estará desempenhando oito horas por dia, cinco dias por semana, por cerca de 30 anos ou mais depois que terminar a faculdade. Sendo assim, o método deve seguir cinco passos essenciais:

 

Visualizar o seu futuro

Reduzir as opções a uma das três grandes áreas

Listar as opções viáveis dentro da área escolhida

Analisar tendências de mercado

Tomar a decisão, mantendo um Plano B

 

Neste artigo, vamos ver um a um desses passos. Antes, no entanto, pegue papel e caneta (não serve o computador) para anotar as suas respostas. Vamos começar por…

 

  1. Visualizar o seu futuro

O primeiro passo a ser dado para definir qual faculdade fazer é realizar um exercício de imaginação. Esqueça por um momento toda história de Enem, vestibular, faculdade, salário etc. Abra sua mente para pensar: se nenhuma dessas coisas fosse um obstáculo, o que você se vê fazendo pelo restante da vida? Qual a coisa que você gosta tanto de fazer que faria até de graça, se isso fosse possível? Não tenha vergonha dos seus próprios pensamentos.

 

Se você gosta, por exemplo, de super-heróis e histórias em quadrinhos, anote isso. Você pode sim ganhar dinheiro com isso, sendo um jornalista especializado no assunto, sendo desenhista, sendo roteirista, sendo editor de revistas, mantendo um site especializado em quadrinhos… Se você gosta de passar o dia malhando na academia, você pode vir a ser um personal trainer, um nutricionista, um fisioterapeuta, um médico, um educador físico.

 

A única regra para esse primeiro passo é não se restringir. Se você gosta de mais de uma coisa, anote todas elas. Se você não gosta de nada, simplesmente de ficar navegando no Facebook e no Instagram, anote isso também (você pode ser um analista de social media, um programador, um publicitário especializado em mídias digitais etc.). Outra opção para quem não tem a mínima ideia sobre qual faculdade fazer é realizar um teste vocacional.

 

Quando for visualizar o seu futuro, não pense em qual faculdade fazer, mas sim no que você vai fazer depois da faculdade. As respostas que você anotar servirão para você saber como…

 

  1. Escolher uma das três grandes áreas

Pegue a lista que você imaginou e observe em qual área as atividades que você se vê fazendo no futuro se enquadram:

Saúde: é a área que engloba profissões como medicina, fonoaudiologia, fisioterapia, nutrição, educação física etc.

Exatas: se você gosta de números, essa é a sua área. Você poderá escolher cursos como matemática, engenharia (e seus diversos ramos), computação, física etc.

Humanas: esta é a área mais ampla, que engloba praticamente tudo o que não se enquadra em Saúde e Exatas. Pense em faculdades como direito, jornalismo, publicidade, sociologia, artes etc.

 

Se você listou apenas uma atividade que se vê fazendo no futuro, procure a área na qual essa sua visão melhor se encaixa. Se você listou mais de uma, anote a área dela ao lado de cada opção e verifique se elas estão sempre na mesma área ou se as áreas variam. Ao final desse passo, você deve ter restringido a sua dúvida sobre qual faculdade fazer em pelo menos dois terços. Assim, você já pode ir para o terceiro passo e…

 

  1. Listar as opções viáveis dentro da área escolhida

Cada uma dessas áreas possui dezenas de cursos para você escolher apenas um. Como estamos partindo do pressuposto de que você não tem ideia de qual faculdade fazer, a melhor opção para você é pegar uma lista genérica e ir eliminando as opções inviáveis. Por exemplo, pode ser que você se interesse pela área de saúde, mas não consegue nem se imaginar fazendo o trabalho de um dentista. Assim, já pode de cara cortar o curso de odontologia das opções de qual faculdade fazer.

 

Esse passo deve ser feito em duas etapas: primeiro você elimina de cara os cursos que sabe com certeza que não servem para você. Depois, você começa a analisar qual faculdade fazer com mais detalhes entre as opções que restaram. Lembre-se de que existem cursos que passam por mais de uma área do conhecimento. Por exemplo, arquitetura e administração de empresas são tradicionalmente colocados como faculdades de humanas, mas exigem um bom domínio de matemática.

A título exemplificativo, segue uma lista de cursos superiores oferecidos no Brasil, divididos por área do conhecimento:

 

  1. Qual faculdade fazer na área de Saúde

Ciências Biológicas

Biomedicina

Biotecnologia industrial

Cosmetologia e Estética

Educação física Bacharelado

Educação física Licenciatura

Enfermagem

Fisioterapia

Fonoaudiologia

Gerontologia

Medicina

Medicina veterinária

Microbiologia

Nutrição

Odontologia

Psicologia

Radiologia

Zootecnia

 

Qual faculdade fazer na área de Exatas

 Agronomia

Automação Industrial

Bioengenharia

Biotecnologia

Ciências da Computação

Engenharia Civil

Eletrônica

Engenharia de alimentos

Engenharia Biofísica

Engenharia Biomédica

Engenharia Bioenergética

Engenharia Cartográfica

Engenharia de computação

Engenharia de Controle e Automação

Engenharia Elétrica

Engenharia Eletrônica

Engenharia Florestal

Engenharia Industrial Madeireira

Engenharia de informação

Engenharia mecânica

Engenharia mecatrônica

Engenharia óptica

Engenharia de pesca

Engenharia de produção

Engenharia química

Engenharia sanitária

Engenharia de software

Eletrônica embarcada

Farmácia

Física

Informática Licenciatura

Manutenção Industrial

Matemática

Oceanografia

Química Licenciatura

Sistemas de informação

Tecnologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas

 

Qual faculdade fazer na área de Humanas

Administração

Administração pública

Arquitetura e Urbanismo

Artes cênicas

Artes plásticas

Artes visuais

Comércio exterior

Ciências contábeis

Ciências econômicas

Ciência da informação

Ciências sociais

Cinema

Comunicação social

Cooperativismo

Design

Direito

Educação artística

Educação Especial

Estatística

Filosofia

Gastronomia

Geografia

Gestão de comércio internacional

Gestão de políticas públicas

História

Jornalismo

Letras

Linguística

Marketing

Museologia

Música Licenciatura

Pedagogia

Psicopedagogia

Publicidade e Propaganda

Radialismo

Relações internacionais

Relações públicas

Secretariado

Tecnologia em Gestão de Recursos humanos

Teologia em Processos Gerenciais

Turismologia

 

Terminado o terceiro passo, você terá em mãos uma lista já bem reduzida para definir qual faculdade fazer. É chegada a hora de você…

 

  1. Tomar a decisão sobre qual faculdade fazer, mantendo um Plano B

 Nós percorremos um longo caminho até aqui. Começamos apenas com a imaginação, com você se visualizando no futuro fazendo somente o que gosta. A partir disso, restringiu-se a uma área do conhecimento humano. Dentro dela, eliminou as opções inviáveis. Entre as que restaram, fez uma análise pragmática das opções. Agora é chegada a hora de tomar uma decisão.

 

Você pode sentir que ainda está indeciso sobre qual faculdade fazer. E isso é absolutamente normal. Como dissemos no início do texto, definir qual faculdade fazer com apenas 17 ou 18 anos não é tarefa fácil. A boa notícia é que a decisão que você tomar não estará escrita em pedra. Veja bem, se você seguiu os cinco passos deste método, as suas chances de errar diminuíram bastante em relação a quem simplesmente escolhe qual faculdade fazer baseando-se somente nas emoções.

 

Mas isso não quer dizer que sua escolha sobre qual faculdade fazer será infalível. Somente ao entrar na faculdade você terá uma noção melhor do dia-a-dia do curso, das dificuldades detalhadas da profissão. Se, depois que você entrou na graduação, viu que aquilo não era o que você queria, ainda haverá tempo para mudança. Existem pessoas que já no primeiro semestre da faculdade veem que aquilo ali não é para elas. Elas rapidamente tomam a decisão de trancar o curso e partir para uma nova opção. Outras demoram um pouco mais para ter essa percepção.

 

Não existe ciência exata em torno disso, mas uma boa regra de bolso sobre qual faculdade fazer é: se você ainda está antes da metade da faculdade e não está gostando nada do curso, pode ser uma boa ideia partir para um Plano B. Agora se você já passou da metade e faltam um ou dois anos para concluir a graduação, parece ser mais negócio insistir um pouco mais, pegar o diploma, e depois tentar um Plano B. Isso porque, mesmo que você não vá trabalhar na área, possuir um diploma de curso superior ainda é vantagem no Brasil. Há vagas de emprego que o exigem, bem como concursos públicos para os quais basta um diploma em qualquer área de formação.

 

O que você está fazendo aí é analisando o custo de oportunidade de abandonar ou seguir na graduação, mas – como dissemos – se você seguiu o método direitinho, as chances de erro ao decidir qual faculdade fazer são reduzidas.

 

 

Dicas tiradas do site Mude.nu

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *